fbpx

Resumo da história do Egito

Egito ao longo da história

A história do Egito é uma das mais emocionantes que você pode encontrar em qualquer parte do mundo. Estamos falando de uma história de mais de cinco mil anos, sendo assim a mais longa e documentada do planeta. Até mesmo sua história foi capaz de marcar completamente a civilização humana.

A história do Egito é uma das mais emocionantes que você pode encontrar em qualquer parte do mundo. Estamos falando de uma história de mais de cinco mil anos, sendo assim a mais longa e documentada do planeta. Até mesmo sua história foi capaz de marcar completamente a civilização humana.

É também pela sua rica história que este país se destaca pelos seus costumes, tradições e cultura, elementos tão antigos quanto os princípios do homem civilizado. O Egito é definitivamente um país com um passado impressionante e muito marcado pelas diferentes e convulsivas etapas e períodos históricos que viveu ao longo dos anos.

Os primórdios do Egito

Os primórdios do Egito se desenvolveram no Vale do Nilo, onde uma das primeiras grandes civilizações agrícolas da antiguidade começou. O vale do Nilo, graças à sua área irrigada e fertilizada com as cheias, proporcionou um excelente ambiente para o desenvolvimento da agricultura intensiva. Mas também exigia uma grande organização do trabalho.

Deve-se notar que o Vale do Nilo não foi povoado durante o Paleolítico, uma vez que os locais desse período encontram-se na orla do deserto. É durante o período Neolítico (5000 aC – 3200 aC) que as populações do leste e noroeste começam a explorar as vantagens deste terreno e é aqui que surgem os nomos e se encontram os primeiros vestígios da fundação do Egito.

A unidade básica e natural tinha que ser o “nomo” ou pequena província que se formou em torno dos centros populacionais do vale. Foi governado por membros da nobreza. Todos os nomos tiveram que cooperar uns com os outros, apesar das grandes distâncias e da falta de boas estradas.

O antigo império egípcio

A centralização política foi alcançada graças a um governo teocrático (o faraó), que foi apoiado por uma organização burocrática (escribas). Deve-se ressaltar que também havia uma alta densidade populacional por quilômetro quadrado, estamos falando de 200 habitantes por quilômetro quadrado. Algo que causava graves crises de subsistência se surgisse a desorganização.

Era uma cidade cujos produtos básicos eram trigo (pão), cevada (cerveja) e animais domésticos. Devido à enorme quantidade de impostos e benefícios pessoais dos trabalhadores camponeses da terra, é que as classes proprietárias, isto é, faraó, clero e nobreza, puderam acumular grande capital a ser investido nos templos e tumbas que tanto nos deslumbram os dia de hoje.

Um sistema que poderia ser mantido por milênios e que se baseava fortemente em uma ideologia oficial que dava um fundamento religioso às diferentes classes sociais. O Egito Antigo insistiu em deixar sua marca para a posteridade.

Por volta de 3500 AC, estima-se que dois grandes reinos foram criados: o reino do Baixo Egito, que adorava Hórus como o deus principal, e o reino do Alto Egito, que adorava Sete. Por volta de 3.200 aC, a tradição diz que o primeiro reino foi conquistado pelo segundo, nessa época a escrita hieroglífica também foi fixada.

No Império Antigo a capital era Mênfis, foi uma época de grande centralização e poder nas dinastias do Egito, nas figuras dos faraós do Egito em suma. O comércio exterior também era considerado uma empresa estatal. Os artesãos alcançaram grande habilidade técnica, principalmente na cerâmica, e seus ofícios se tornaram hereditários.

Com a 6ª dinastia, a autonomia das cidades do norte chegou ao fim. Conseguindo que os governadores provinciais se tornassem independentes e dando lugar ao Primeiro Período Intermediário (dinastias VII a X).

O Império Egípcio Médio

O nome de Heracleópolis expulsou os asiáticos, além de restabelecer o comércio com a Síria. Embora a reunificação tenha sido feita em Tebas, que se tornou a capital religiosa nas 11ª e 12ª dinastias.

Essa reorganização resultou em um aumento geral da produção, no governo de Ammenemes (1991 aC – 1962 aC) a influência egípcia se estendeu à Síria e à Núbia, a qual foi anexada até a 3ª catarata.

Pelo segundo período intermediário se instalaram no delta, as tribos asiáticas dos hicsos, procedentes da Palestina, adotaram os costumes egípcios.

O Segundo Período Intermediário se caracterizou pelo estabelecimento de suas dinastias, nas quais adotaram as XV e XVI, e de sua capital, Avaris, se espalharam por quase todo o território egípcio com exceção da Núbia e Tebas.

Mas foi em Tebas que a 17ª dinastia que se manteve independente, em 1600 aC. começaram expedições vitoriosas que encurralaram os hicsos até sua capital.

O Novo Império Egípcio

Com a conquista de Avaris, o Novo Império passou a corresponder às dinastias 18 a 20. Nesse período, o Egito fez uma política imperialista em relação à Síria e à Palestina, além de intensificar as relações na região do Mediterrâneo.

No Novo Egito também as reformas de Amenophis IV (Akhenaton) no aspecto religioso e social, encontraram a oposição do clero de Amon. Seu governo coincidiu com a expansão do poder hitita, que deslocou o Egito no domínio da Síria. Também os soberanos da 19ª dinastia, como Ramsés II, retomaram suas expedições à Palestina, mas tiveram que fazer um pacto com os hititas, bem como delimitar suas áreas de influência sobre a Síria.

El claro de Amón llegó a convertir a la dinastía XX en una teocracia sacerdotal. Y Ramsés III (1182 a.C. – 1151 a.C.), expulsó del delta a los “pueblos del mar”, quienes procedían del norte y este, habiendo destruido al imperio hitita.

Período de declínio do Egito

Mas na egiptologia, o período de declínio do grande império egípcio foi meticulosamente registrado em grande detalhe. Neste momento, estamos a falar das dinastias XXI a XXX, o sacerdote de Amun aliou-se a vários grupos de estrangeiros para dominar o aparelho do Estado.

Constatou-se que a XXII dinastia provinha dos líbios estabelecidos no delta e as XXIII e XXV eram núbios. Na época de Nefertumjura Taharqo (689 aC – 664 aC), os sírios penetraram no Egito, embora tenham se retirado após saquea-lo.

Na XXVI dinastia houve grande presença de mercadores estrangeiros, principalmente gregos, que fundaram a colônia Naucratis na época de Psamético II. Porém, em 525 a. O rei persa Cambises ocupou o vale até a Núbia, tornando-o pela primeira vez uma província de um império estrangeiro.

Depois do que foram as últimas dinastias nacionais, XXVIII, XXIX e XXX, a conquista de Alexandre o Grande, marcou o Egito para sempre.

Egito helenístico, romano e bizantino

Oficiais e mercadores gregos controlavam o aparato fiscal e burocrático do estado egípcio, isto com a dinastia dos Lagids, que foi fundada pelo general de Alexandre o Grande, Ptolomeu I Sóter. Estes eram aliados do clero.

É aqui que as cidades adquirem um caráter helenizado, especialmente Alexandria, que se torna o porto mais importante do Mediterrâneo. A divisão provincial dos nomos também foi respeitada, mas a maior parte da terra tornou-se uma posse real que era cultivada por arrendatários apegados à terra que estavam com o máximo de carga tributária. A moeda foi introduzida neste período.

Após a batalha de Accio ou Actium (ano 31 aC) ocorreu a ocupação romana, onde foi imposta ao imperador a mais alta autoridade civil, militar e religiosa. Roma aumentou a rigidez das classes sociais, respeitando as classes privilegiadas do alto clero, gregos e judeus que viviam nas cidades.

O cristianismo no Egito chegou no século II, e permaneceu com uma posição preponderante do clero. Onde o patriarca de Alexandria com o apoio dos monges e suas grandes propriedades teve uma enorme influência no país.

A partir de 395, Constantinopla foi a nova metrópole do Egito e a receptora de seu trigo. A frota alexandrina também desempenhou um papel importante na supremacia naval bizantina até 639.

Graças à inquietação contra a metrópole especialmente desde o cisma da Igreja Egípcia (451), facilitou a conquista transitória do país pelos árabes, no ano 618. Depois a definitiva pelos árabes, que entraram no Egito em 639. Eles Eles eram comandados por Amr b al-As, um general que estava a serviço do califa Umar.

História do Egito Islâmico

Amr estabeleceu a capital em al-Fustat, que foi o verdadeiro campo militar que mais tarde deu origem ao Cairo. Os califas omíadas e abássidas tinham que respeitar as comunidades copta, cristã e judaica estabelecendo um sistema tributário. Isso consistia em um tributo pessoal aos habitantes de Alexandria, tributos sobre a terra aos camponeses e desviar sua renda para Bagdá ou Damasco.

Um período de prosperidade para o país ocorreu com as dinastias Tuluní (868-905) e Ijšidí (935-969). Com a ocupação fatímida do Magrebe em 969-1171, o Cairo foi finalmente fundado em 969. Sendo a maior e mais populosa cidade do mundo islâmico.

O Egito serviu como uma barreira para o avanço cristão das cruzadas sob o comando das dinastias aiúbida (1171-1250) e mameluco (1250-1517). Com seu domínio dos portos sírios, ele ganhou o controle absoluto do comércio indiano.

Mas devido à descoberta por Portugal da rota do Cabo da Boa Esperança, este monopólio foi perdido. Em 1517, os mamelucos foram derrotados pelos turcos otomanos. De 1517 a 1805, foram os turcos que governaram o país. É com a expedição de Napoleão ao Egito (1798-1801) que a Europa foi redescoberta nos tempos antigos da cultura egípcia.

Reinado da dinastia de Muhammad Ali

O sultão turco, após a campanha egípcia, reconheceu a dinastia Muhammad Ali (1805 a 1952) como hereditária no Egito. Aqui o sistema hidráulico foi modernizado e o algodão e a cana-de-açúcar foram introduzidos.

Em 1869 foi inaugurado o Canal de Suez, devido à concessão obtida pela França em 1856, porém a Grã-Bretanha comprou uma parte decisiva da empresa devido ao seu interesse em controlar a rota para a Índia. Para 1882 a 1914, a Grã-Bretanha exerceu um governo sobre o Egito, ainda que este gerou descontentamento a partir do final do século XIX.

O partido nacionalista Wafd forçou a Grã-Bretanha a reconhecer a independência do Egito, embora a defesa e o direito de manter as tropas britânicas em solo egípcio fossem mantidos. Foi até 1936 que foi totalmente retirado.

O reinado de Farouk (de 1937 a 1952) é lembrado por sua crescente corrupção administrativa e política, bem como seu interesse em ingressar na Grã-Bretanha.

História da República do Egito

Farouk foi destronado em 23 de julho de 1952, abolindo a monarquia em 1953 e proclamando o Egito como uma república. M. Naguib, que liderou a queda de Farouk, foi deposto e nomeado primeiro-ministro e mais tarde presidente de Gamal Abdel Nasser em 1956.

Após a nacionalização do Canal de Suez pelo Egito em 1956, tropas anglo-francesas desembarcaram no país. Enquanto o exército israelense cruzava a fronteira, a área de Gaza e o deserto do Sinai eram invadidos. A ONU exigiu um cessar-fogo e, com a falta de apoio militar dos EUA, a ação militar foi retirada.

Em seguida, as áreas do Canal de Suez foram colocadas sob custódia das Nações Unidas. Egito e Síria juntaram-se para formar a República Árabe Unida em 1958. Mas em 1961 a Síria se retirou dela.

Junto com a Síria, o Egito em 1973 desencadeou a quarta guerra árabe-israelense, que com seu desfecho reforçou a posição de Sadat. Reafirmado após os acordos com Israel em 1974.

Em 1974, o Egito restabeleceu relações com os Estados Unidos, rompidas desde 1967. Desde então, o Egito busca um equilíbrio entre sua relação com o Oriente Médio e os dois grandes blocos.

Recomendado pelo TripAdvisor

Viajes a Egipto, Jordania, Dubái y Turquía

Não hesite em nos contatar