fbpx
+2011 4242 4297 [email protected]

El Ma'at

Equilíbrio e a lei no antigo Egito

Tabela de conteúdo:

  • Desenvolvimento Precoce Do Direito
  • Importância Do Ma’at
  • Equilíbrio E Lei
  • O Camponês Eloqüente E O Declínio
  • Pacotes De Viagem Ao Egito Com Egiptólogos

O Ma’at – Equilíbrio e a lei 

A lei egípcia baseou-se no valor cultural central do Ma’at(harmonia e equilíbrio) que foi a base de toda a civilização. Ma’at foi estabelecida no início dos tempos pelos deuses quando a terra e o universo foram formados. De acordo com uma versão da história, o deus Atum emergiu das águas turbulentas do caos para ficar na primeira terra seca, o ben-ben primordial, para iniciar o ato da criação. A força da magia (heka) estava com ele, personificada no deus da magia Heka, e foi essa força que deu poder ao Ma’at, o princípio que mais tarde foi personificado como a deusa do mesmo nome. Maat permitiu que o universo e a vida na Terra funcionassem como deveriam – em equilíbrio – e heka era o poder que sustentava o ma’at. O egiptólogo Richard H. Wilkinson escreve:

Para os egípcios, heka ou ‘magia’ era uma força divina que existia no universo como ‘poder’ ou ‘força’ e que poderia ser personificada na forma do deus Heka … seu nome é assim explicado como ‘o primeiro trabalhos.

A primeira “criação” de Heka foi Ma’at, e assim o conceito de equilíbrio e harmonia como um aspecto essencial da vida tornou-se a convicção mais profunda da sociedade egípcia do início do período dinástico (c. 3150 – c. 2613 aC) em diante. Embora a personificação de Ma’at como uma deusa não apareça até o Império Antigo (c. 2613-2181 aC), o valor que ela representava – assim como a magia que sustentava esse equilíbrio – parece evidente na arquitetura e nos entalhes da Predinástica. Período no Egito (c. 6000 – c. 3150 aC), estabelecendo este valor como a base central para a sociedade que então se desenvolveu.

Desenvolvimento Precoce Do Direito

Se as pessoas tivessem sido capazes de reconhecer os benefícios de viver suas vidas de acordo com o Ma’at, não haveria necessidade de leis, mas uma vez que os desejos egoístas frequentemente superam o senso comum, as pessoas agem em seu próprio interesse – e no despesas de outros – precisavam ser punidos e exemplos e precedentes estabelecidos para outros que poderiam ser tentados a fazer o mesmo.

Embora alguma forma de código de leis pareça ter existido, os arqueólogos não descobriram nenhum documento semelhante a um conjunto codificado, como o Código de Ur-Nammu ou o de Hamurabi da Babilônia. A obra literária egípcia conhecida como O conto do camponês eloqüente, do Reino do Meio (2040 – c. 1782 aC), estabelece que um código de leis e um sistema judicial administrativo estavam em vigor muito antes dessa época. Algum código de lei rudimentar existiu durante o Período Predinástico (c. 6000 – c. 3150 aC), mas um sistema legal efetivo tinha que ter sido estabelecido no início do período dinástico no Egito (c. 3150 – c. 2613 aC) porque era já em uso nos primeiros anos do Antigo Império (c. 2613-2181 aC).

O Conto do Camponês Eloqüente também estabelece que a justiça e o tratamento justo para todos – não importa a classe social, a idade ou o sexo – eram conceitos altamente valorizados para os egípcios. É claro a partir de obras como O Conto do Camponês Eloqüente, a partir de notas, cartas, julgamentos e revisões sobre a lei feita por reis posteriores que os juízes e magistrados estavam trabalhando a partir de um conjunto de leis padrão, mas as especificidades de tal documento são desconhecido.

É também claro, no entanto, que a lei se baseava em Ma’at e operava a partir de um princípio de precedente: um julgamento sobre um determinado crime no passado estabeleceria a base para futuras sentenças. O que tornava um julgamento legal e vinculante, no entanto, não era necessariamente a habilidade ou a sabedoria de um juiz ou magistrado, mas sim o quanto uma decisão legal se aproximava do Ma’at.

Importância Do Ma’at

A principal responsabilidade do rei era defender Ma’at; uma vez que isso fosse entendido como o papel principal de um governante, todas as outras responsabilidades do trono se encaixariam. A observância central da cerimônia de inauguração de um rei, na verdade, era oferecer o espírito de Ma’at – personificado em uma estátua – aos outros deuses como uma promessa de que ele manteria o equilíbrio universal.

Com o tempo, o conceito passou a ser personificado como uma deusa com uma pena de avestruz branca que se tornou tão importante para a cultura que ela apareceu com os deuses Osiris, Thoth e Anúbis no Salão da Verdade depois da morte de uma pessoa, onde o coração da O falecido foi pesado contra sua pena branca de verdade. Se o coração foi achado mais leve que a pena, a pessoa foi autorizada a ir para a vida eterna no Campo dos Juncos; se o coração estava mais pesado, ele foi jogado no chão, onde foi comido pelo monstro Amut e a alma da pessoa deixou de existir.

O coração de alguém seria mais leve se alguém tivesse vivido de acordo com o Ma’at. Ma’at era o espírito de toda a criação em harmonia e, se uma pessoa estava de acordo com esse espírito, eles viviam bem na terra e também tinham boas razões para esperar pela paz eterna na vida após a morte; se alguém se recusasse a viver de acordo com o princípio de Ma’at, sofreria as conseqüências – na vida e depois da morte – que alguém teria trazido sobre si mesmo.

Se uma pessoa decidisse violar a lei roubando grãos de outra, o ladrão não apenas privara alguém de sua propriedade, mas interromperia o equilíbrio que permitia ao mundo funcionar como deveria. A egiptóloga e historiadora Margaret Bunson comenta isso, escrevendo:

Ma’at era o modelo para o comportamento humano, em conformidade com a vontade dos deuses, a ordem universal evidente nos céus, o equilíbrio cósmico sobre a terra, o espelho da beleza celestial. A consciência da ordem cósmica era evidente no início do Egito; Os sacerdotes-astrônomos mapearam os céus e notaram que a Terra respondia às órbitas das estrelas e dos planetas. Os sacerdotes ensinaram que a humanidade foi ordenada a refletir a harmonia divina, assumindo um espírito de quietude, comportamento razoável, cooperação e um reconhecimento das qualidades eternas da existência, como demonstrado pela terra e pelo céu. Todos os egípcios previram tornar-se parte do cosmos quando morreram, portanto, a responsabilidade de agir de acordo com suas leis era razoável. A adesão estrita a Ma’at permitiu que os egípcios se sentissem seguros com o mundo e com o plano divino para toda a criação.

Ninguém poderia se sentir seguro, no entanto, se o Ma’at fosse ignorado e as pessoas pudessem se comportar da maneira que quisessem. As leis do Egito foram criadas – e um sistema judicial estabelecido – para garantir que houvesse conseqüências imediatas e desagradáveis para perturbar o equilíbrio da sociedade. Essas leis se aplicavam a todos, desde o camponês até o rei, porque entendia-se que todos na sociedade tinham um papel a desempenhar e um papel atribuído a eles pelos deuses; se um magistrado, juiz ou vizir fosse favorito ou julgasse injustamente, seria tão culpado de perturbar o senhor quanto um ladrão, ladrão ou assassino.

Equilíbrio e lei

Para garantir que a justiça fosse fornecida a todos no país – independentemente da classe social -, apenas os melhores homens foram escolhidos para cargos de autoridade legal. O vizir da terra tinha que cumprir exigências rigorosas para a posição, e estas incluíam aspectos morais e éticos, bem como administrativos e intelectuais. A posição do vizir egípcio nos dias de hoje é geralmente entendida como comparável ao “conselheiro do rei”, mas ele era, na verdade, a bússola moral e o administrador-chefe de todo o país.

Um famoso vizir do Novo Reino do Egito, Rekhmira (também dado como Rekhmire), serviu sob os faraós Thutmose III (1458-1425 aC) e seu filho Amenhotep II (1425-1400 aC). Ele é mais conhecido pelo texto Instalação do Vizir (também conhecido como a Instrução de Rekhmira), que descreve os deveres do cargo, como alguém é escolhido para a posição e como um vizir deveria se comportar. O texto enfatiza a misericórdia e a compaixão, mas o foco geral é o equilíbrio – harmonia – na tentativa de melhorar as vidas dos desafortunados e aliviar o sofrimento das pessoas:

Eu defendi a viúva sem marido. Eu estabeleci o filho e herdeiro no assento de seu pai. Dei pão aos famintos, água aos sedentos, carne e unguento e roupas para quem não tem nada. Eu aliviei o velho, dando a ele minha equipe, e fazendo com que a velha dissesse: “Que boa ação!” Eu odiava a desigualdade, e não a fiz, fazendo com que homens falsos fossem presos de cabeça para baixo.

Uma vez que a lei foi baseada no princípio divino do Ma’at, foi considerada de origem perfeita e não deve ser usada indevidamente para fins pessoais. Um juiz ou qualquer outra autoridade legal que foi considerada culpada de abusar de seu poder enfrentou punições que vão desde a amputação das mãos até o afogamento. A lei aplicava-se igualmente a todos no Egito e a corrupção não era tolerada até mesmo no fim do Novo Reino, quando práticas corruptas do topo da hierarquia do Egito até o fundo eram desenfreadas.

O Camponês Eloqüente E O Declínio

O conto do camponês eloquente ilustra claramente o valor egípcio da justiça. Na história, um camponês chamado Khun-Anup é espancado e roubado por Nemtynakht, um rico proprietário de terras, que lhe diz que não adianta reclamar porque ninguém em autoridade irá valorizar a palavra de um camponês contra a de um rico homem de terras. Khun-Anup se recusa a acreditar nisso, no entanto, e apresenta seu caso ao magistrado local.

O magistrado, Rensi, é movido pelo caso do camponês, mas acha seu discurso tão eloqüente que ele relata a situação ao rei, e o rei, intrigado, orienta Rensi a manter o camponês falando e registrando seus discursos. Rensi faz o que ele é instruído, recusando-se a abordar a queixa de Khun-Anup, mas fornecendo-lhe (assim como sua família em casa) com comida e bebida. Finalmente, depois que Khun-Anup fez nove petições – todas as quais foram escritas pelos escribas de Rensi – ele é recompensado com justiça: todas as terras pertencentes a Nemthnakht são dadas a ele e, além disso, ele é honrado pelo rei que o considera. um mestre da retórica.

El Cuento del Campesino Elocuente - El museo británico
Conto do camponês eloquente – O Museu Britânico

A história era popular entre as platéias do Império do Meio do Egito, através do Império Novo, e provavelmente períodos posteriores, mas cada vez mais não refletia como a justiça era administrada ou como a sociedade estava realmente vivendo os ideais do conto. Perto do fim do Novo Reino, o equilíbrio foi perdido durante o reinado de Ramsés III (1186-1155 aC), nunca foi totalmente recuperado e levou a uma série de problemas significativos.

A época de Ramsés III foi o período de declínio do Império Egípcio do Novo Reino. A invasão dos Povos do Mar em 1178 AEC exigiu um enorme gasto em defesa e, embora o Egito tenha sido vitorioso, os efeitos desse evento enviaram ondas através da burocracia governamental que mantinha a sociedade. A imensa perda de vida da invasão resultou em uma força de trabalho esgotada, o que significou menos pessoas para trabalhar a terra e uma safra pobre. Essa situação foi agravada pelas condições climáticas, e a distribuição regular de grãos e bens da terra, regularmente manejada pela burocracia eficiente, quebrou quando os recursos se tornaram mais escassos e os funcionários mais corruptos.

Embora Ramsés III fosse um bom rei – considerado o último faraó efetivo do Novo Reino – ele não conseguiu manter o Ma’at como a principal diretiva de seu ofício. Sua insistência em manter a tradição da celebração do jubileu de 30 anos do faraó, apesar das dificuldades que o país enfrentava, causou recursos significativos a serem direcionados para a corte, e essa decisão significou que outros, mais abaixo na hierarquia, teriam que fazer sem.

Ramsés III - El valle de los reyes
Ramsés III – O vale dos reis

Os problemas se tornaram aparentes em c. 1159 AEC, quando o pagamento aos trabalhadores da tumba em Deir el-Medina se atrasou e, em um movimento sem precedentes, eles entraram em greve. Nenhum trabalhador jamais entrara em greve antes no Egito; Era literalmente impensável. Todos na estrutura social tinham um lugar e uma responsabilidade, e não se podia simplesmente decidir um dia ignorar isso. Quando os trabalhadores atacaram, os funcionários não puderam lidar com isso e, sem qualquer tipo de experiência com esse tipo de situação, tentaram comprar os trabalhadores com doces do templo local.

A situação foi finalmente resolvida e os trabalhadores pagaram, mas a greve foi o resultado de um problema que ninguém sabia como resolver: uma violação da observância de Ma’at por um rei reinante. Era responsabilidade do rei modelar o comportamento de seu povo, mas, neste caso, os trabalhadores da tumba foram forçados a lembrar ao rei suas obrigações e sua transgressão. A greve em si foi uma ruptura do equilíbrio que chamou a atenção para a maior transgressão do governante.

Na época de Ramsés XI (1107-1077 aC), o império havia caído e lentamente se desviou para a era conhecida como o Terceiro Período Intermediário do Egito (c. 1069-525 aC). Embora uma história como O conto do camponês eloqüente ainda possa ter sido popular durante esse tempo, ela não mais refletia a administração prática da justiça. Escritórios tão altos quanto os do vizir até o nível de rua dos policiais eram corruptos e obras como O conto do camponês eloqüente ou a instrução de Rekhmira não eram mais relevantes porque poucas pessoas estavam vivendo mais esses princípios. Uma vez que o valor do Ma’at foi comprometido, o equilíbrio foi perdido, e o sistema legal fundado na harmonia divina começou a declinar.

Escrito por Joshua J. Mark
Traduzido por Khaled Ahmed

Leia também:
Cores no Anigo Egito
Cartas aos mortos no antigo Egito

Pacotes de viagens turquia

  • paquetes de viajes a Turquía | Sia Tours

    Extensão para Istambul

    A partir de$188
    4 dias 3 noites
    Desfrute de uma visita à cidade de Istambul que combina a magia do Oriente com a modernidade do Ocidente.
    0
  • Legends da Turquia

    A partir de$425
    09 Dias
    Veja Istambul, Ancara, Capadócia, Pamukkale e Selcuk onde fica a casa da Virgem Maria
    0
  • paquetes de viajes a Turquía

    Istambul e Capadócia Express

    A partir de$425
    06 Dias
    Viajem para ver essas duas belas cidades em apenas 6 dias
    0
  • Turquia Mágica

    A partir de$482
    08 Días
    Viagem à Turquia para ver Istambul, Capadócia, Éfeso e Pamukkale, passeios em grupo
    0
  • Toda a Turquia

    A partir de$532
    11 Dias
    Toda a Turquia em uma viagem de Istambul, Ancara, Capadócia, Pamukkale, Selcuk, Pergamum e Canakkale
    0
  • O melhor da Turquia

    A partir de$544$490
    08 Días
    Viagem de 08 dias para ver Istambul, Selcuk, Pamukkale e Capadócia com dois voos domésticos
    0
  • Tour Turquía Clássico

    A partir de$550
    10 Dias
    Veja toda a Turquia por terra com partidas em grupo garantidas de Istambul para Éfeso
    0
  • Lendas da Turquia com a praia de Kusadasi

    A partir de$575
    11 Dias
    Veja toda a Turquia com uma visita às famosas praias de Kusadasi durante 11 dias
    0
  • Viagem Turquia e Dubai

    A partir de$940
    12 dias
    Veja toda a Turquia em 8 dias saindo de Istambul, Capadócia, Pamukkale e Éfeso, visite Dubai em 5 dias.
    0

Não hesite em nos contatar